Buscar
  • Íkaro Tosatti

Gestão de Processos: se sua empresa ainda não faz, sem perceber, pode estar perdendo espaço no merca




Em qualquer organização trabalhamos para entregar os melhores produtos ou serviços a fim de atender as expectativas dos clientes. Sendo assim, devemos avaliar se de fato a qualidade das entregas está sendo a esperada. Porém, atualmente para se diferenciar da concorrência não basta entregarmos um produto de qualidade, isso já é um pré-requisito e, muitas vezes uma pesquisa de satisfação ou um feedback do cliente, apesar de essencial pode não evidenciar em que ponto da cadeia produtiva podemos estar falhando. Por isso se faz necessário promover uma estratégia eficiente no que diz respeito a Gestão de Processos na organização, alinhando pessoas, que devem conhecer e entender os processos que executam, com o negócio da empresa, para que esta seja a principal escolha dos consumidores.


A Gestão de Processos surge como um conjunto de ferramentas que vão auxiliar no desenvolvimento da melhoria contínua pois, numa organização, quando entendemos o que está acontecendo de uma maneira sistêmica e que permite ao colaborador identificar sua importância na execução do processo para todo o funcionamento da empresa, as informações são mais precisas e a tomada de decisão mais assertiva. Além disso, o entendimento dos processos nos permite definir indicadores a fim de medir seu desempenho, antevendo um feedback negativo em uma pesquisa de satisfação do cliente, por exemplo.


Um processo é definido como um conjunto de atividades inter-relacionadas que transformam entradas (informações, conhecimento, materiais, equipamentos) em saídas (produtos ou serviços) para atender a um cliente, agregar valor e gerar resultado para a organização. Na gestão de processos o primeiro resultado que buscamos é promover o entendimento claro das relações entre as atividades e setores da empresa. É preciso identificar os envolvidos diretamente nos processos e como eles se relacionam com as demais áreas da empresa. Essas relações podem ser identificadas através de uma ferramenta chamada Mapa de Contexto Organizacional que possibilita um overview da organização antes que se inicie a identificação de processos para posterior desenho dos mesmos.


O Mapa de Contexto vai traçar as relações de inputs (entradas) e outputs (saídas) entre os diferentes setores da empresa e com o ambiente externo, ou seja, clientes, fornecedores e acionistas. Através dessa visão mais ampla é possível já identificar relações desnecessárias, relações essenciais e relações que necessitam de ajuste.


A elaboração do Mapa de Contexto deve ser realizada com um grupo de lideranças estratégicas da organização, podendo ser os gerentes de cada área e pessoas que transitam em processos de várias áreas e que estão dispostas a contribuir, sempre de maneira voluntária. O procedimento é simples: definimos as áreas da empresa (por exemplo RH, Financeiro, Marketing, Operações, Estoque) e desenhamos uma caixa para cada uma delas em posição centralizada no local onde será desenhado o mapa. À esquerda posicionamos caixas para os Fornecedores e à direita posicionamos os Clientes e Acionistas. Após o posicionamento traçamos por meio de setas identificadas as relações existentes entre as áreas. Um exemplo de um Mapa de Contexto está apresentado a seguir:


Fonte: Rezende, Paulo. Apostila de Gestão de Processos, FDC.



Após a elaboração e análise das relações do Mapa de Contexto podemos nos aprofundar mais na Gestão dos Processos, seguindo para o Mapeamento, onde o primeiro passo é reunir as pessoas que conhecem os processos e aquelas que os executam para definirmos aquilo que até então acreditamos que é o processo. Com a equipe reunida, realizamos um brainstorming para definir as etapas do processo e também identificar as pessoas que executam cada uma das etapas.


Com as pessoas listadas começamos a entrevistá-las, a fim de conhecer de fato o que ocorre durante a execução do processo. O entrevistador deve instigar o entrevistado a expor como ele conduz as atividades e todas as situações que já enfrentou durante a execução do processo.


Uma metodologia interessante chamada SIPOC, nos dá um direcionamento na condução de uma entrevista de Mapeamentos de Processos. SIPOC é uma sigla que vem do inglês que significa: Suppliers (Fornecedores), Inputs (Entradas), Processes (Processos), Output (Saídas), Customers (Clientes). Para aplicar a metodologia, entrevistamos o colaborador para identificar:


- No “S”: Quais são os clientes desse processo? Quem envia entradas para o processo? Com quem o entrevistado se relaciona no sentido de receber algo destas pessoas? De onde vem as entradas?


- No “I”: Quais são as entradas desse processo? O que recebemos? Essas entradas podem ser as mais variadas possíveis, como informações, matérias-primas, documentos, procedimentos. Após definir as entradas, é importante relacionar cada uma delas com os fornecedores. Qual fornecedor envia qual entrada?


- No “P”: Quais as etapas ou atividades empregadas para transformar as entradas listadas nas saídas indicadas na fase “O”? Aqui, perguntamos ao entrevistado tudo o que fazem rotineiramente. Tentamos entender o que acontece no meio, incluindo acessos a softwares ou documentos.


- No “O”: Quais são as saídas da rotina do entrevistado? O que ele entrega? Essas saídas, assim como as entradas, podem ter as mais diversas formas, como documentos, informações, entradas em softwares, peças físicas, etc.


- No “C”: Quem consome essas entradas? Qual cliente consome qual entrada? Quem são eles (pessoas, clientes, departamentos, etc.)? Para quem vai?


Geralmente, é mais fácil e conveniente começar o preenchimento do SIPOC listando as saídas, depois listamos os clientes, passamos, assim, para as entradas e fornecedores e, por último, identificamos as atividades. O SIPOC é ainda um formulário onde, com base nas informações levantadas e ainda junto com o entrevistado vamos migrar as atividades, principalmente do Processes, para um fluxograma com o objetivo de que fique o mais visual possível para organização e que permita uma melhor análise, agora, do processo mapeado. Existem alguns softwares como o Bizagi Modeler (que possui uma versão gratuita) e o Microsoft Visio que são específicos para a migração de processos em fluxograma e são bem intuitivos e amigáveis para se trabalhar. A figura abaixo apresenta um processo migrado em fluxograma no Bizagi Modeler.


Fonte: Tribunal de Contas da União. Curso de mapeamento de processos de trabalho com BPMN e Bizagi.


Com os processos visualmente mapeados ficará mais fácil entender o que de fato está acontecendo, como as ações estão sendo executadas e então analisamos se há rupturas nos processos. Rupturas são possíveis gargalos ou pontos de melhoria e podem estar relacionadas com atividades em diferentes áreas e envolvendo diferentes pessoas, por isso a Gestão de Processos é algo amplo que deve ser tratado como cultura organizacional.


Com o ajuste nos processos, entendida a especificidade de cada um deles, é possível traçar indicadores para medir seu desempenho e isto fica mais fácil quando estão mapeados, pois nos permite identificar onde serão coletados dados para alimentar os indicadores e também facilita a definição de qual indicador é mais adequado.

Vale ressaltar que independente do processo, deve haver um monitoramento e avaliação dos indicadores que podem ser definidos basicamente através de três dimensões de desempenho: eficiência, eficácia e efetividade. Em relação a eficiência podemos avaliar tempo e recursos utilizados. A eficácia pode ser avaliada em relação a comprometimento de contratos envolvidos nos processos e a efetividade pode ser avaliada medindo as entregas em comparação com a expectativa dos clientes, por exemplo.


Com a definição dos indicadores passamos a executar novamente os processos com os devidos ajustes. Neste ponto deve ficar claro a importância do monitoramento, que deve ser executado com uma frequência pré-estabelecida, permitindo diminuir os desvios e traçar ações emergências corretivas, caso necessário. Ao se ajustar um processo, é normal acreditarmos que depois de todo o caminho percorrido não há mais o que melhorar e, em muitos casos quando a percepção do cliente chega à organização pode ser tarde. E isso reforça a ideia de que a Gestão de Processos é cultural, devendo estar alinhada com os propósitos da empresa e com foco no cliente, não apenas atendendo os feedbacks de um Reclame aqui, por exemplo. A Gestão de Processos surge para trabalhar com as causas de possíveis problemas, a fim de antevê-los por meio dos indicadores e monitoramento dos processos, visando não perder espaço no mercado que está cada vez mais competitivo.


32 visualizações

CONTATO

contato@aplconsultores.org     

+55 (31) 99641-1560         

Viçosa, Minas Gerais